Iporanga

Viva Iporanga – Capital das Cavernas

É na pequena e pacata cidade de Iporanga, que se esconde uma das maiores concentrações de cavernas do mundo. Debaixo de uma das regiões com maior concentração de Mata Atlântica preservada e dona de uma riqueza natural e cultural gigantesca, foi em Iporanga que se iniciou a extração do ouro na época do Brasil colônia.

Trazido pelos portugueses como escravos em meados do século XVI, ainda é possível encontrar remanescentes quilombolas na cidade. Em 1999 essa região foi reconhecida como Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO.

Atrativos

Simplesmente encantador! Neste Parque o contato com a natureza e a presença de boas energias ficam em evidência!

Localizado entre Iporanga e Apiaí, o Petar possui a maior concentração de cavernas do Brasil, são cerca de 360 cavernas, dezenas de cachoeiras, trilhas, comunidades tradicionais quilombolas, sítios arqueológicos, paleontológicos, enfim! Difícil descrever um verdadeiro paraíso entre vales e montanhas localizado na maior porção de Mata Atlântica preservada de todo o Brasil. Agrada desde os amantes de natureza e esportes quanto para os estudiosos e historiadores.

Núcleo Santana

O Núcleo Santana é o centro de visitação mais frequentado do PETAR, onde os turistas desfrutam de passeios em cavernas, vista privilegiada de vales, de montanhas, piscina natural, trilhas em meio à Mata Atlântica preservada e podem renovar as energias com banho de cachoeiras. Localizado a 3 km do Bairro da Serra, na cidade de Iporanga – SP, no vale do rio Bethary, possui infraestrutura turística como Centro de Interpretação Ambiental (CIA), venda de artesanatos, quiosque, banheiro, lanchonete, estacionamento, além de ser sede do GVBS (Grupo Voluntário de Busca e Salvamento).

Iporanga - Caverna do Santana

Considerada uma das mais ornamentadas, a Caverna de Santana possui uma infinidade de espeleotemas (formações de caverna) que reforçam sua beleza como estalactites, estalagmites, cortinas, colunas, represa de travertinos e chão de estrelas. É a segunda maior caverna do Estado de São Paulo. Com percurso aberto à visitação de 800m, conta com estrutura de acesso através de escadas e passarelas de madeira.

É um espaço privilegiado em meio a Mata Atlântica para lanchar, descansar, ouvir o canto dos pássaros, registrar e contemplar a natureza. Com águas cristalinas, a piscina natural do rio Bethary proporciona um gostoso banho de rio para renovar as energias.
Com queda d’agua de 35m de altura, a cachoeira das Andorinhas tem acesso através da Trilha do rio Bethary. Devido ao grande volume de sua queda, não é possível banhar-se na cachoeira. Entretanto, o cenário encanta por sua beleza.
Com vários trechos margeando e cruzando o rio Bethary, esta trilha de 3 horas de duração proporciona uma experiência completa agradando a todas as preferências. Em meio a fauna e flora exuberante da Mata Atlântica, surgem as entradas da Caverna Água Suja e Cafezal finalizando o trajeto nas Cachoeiras Andorinha e Beija-flor.
Ao caminhar por 1,2 km pela trilha do rio Bethary, encontramos a caverna Água Suja. Com acesso pelo rio (o que torna o passeio mais emocionante), você explora formações como estalactites e travertinos durante seu percurso com aproximadamente 1h de duração.
Apesar de baixa (6m de altura), a Cachoeira do Couto é de fácil acesso e esbanja beleza. Uma excelente opção para refrescar e tirar belas fotos. Ao sair da caverna do Couto, o córrego forma uma delicada queda que proporciona ao visitante uma gostosa sensação de hidromassagem.
A Caverna Morro Preto possui um lindo pórtico, onde também foram encontrados vestígios de nossos antepassados. Os feixes de luz tornam a paisagem de dentro da caverna digna de registro fotográfico e decoram o ambiente deixando muito mais nítida a imponência da natureza.
Com beleza diferenciada, a Caverna Cafezal está localizada na Trilha do rio Bethary, próxima a Caverna Água Suja. Possui espeleotemas raros como a flor de aragonita e grande variedade de fauna cavernícola.
Espaço ideal para observar o vale do rio Bethary, as aves, a mata e os paredões rochosos que compõem o relevo local. O mirante também é um excelente lugar para lanchar com os amigos enquanto se contempla a natureza.
Local onde os visitantes têm acesso a diversos painéis informativos sobre o parque, o relevo, a hidrografia, a fauna e flora da região. Há também exposição de equipamentos antigos utilizados na espeleologia (estudo de cavernas). Não deixe de provar o suco de juçara na lanchonete do CIA ou levar para casa um artesanato como recordação de sua experiência no PETAR.
Localizado no Bairro da Serra no Vale do rio Bethary, o Núcleo Ouro Grosso abriga belos atrativos como trilhas, cavernas e piscina natural. Sua infra-estrutura conta com Centro de Visitantes, alojamento para pesquisadores, museu cultural com casa de farinha de pau-a-pique, monjolo e moenda de cana.
Trilha de fácil acesso com percurso de 200 metros que permite ao turista adentrar no interior de uma grande figueira, além de observar demais árvores de grande porte como cedros e pau-d’alho. É uma das trilhas que possibilita perceber os detalhes do relevo cárstico da região.
A Caverna do Ouro Grosso é considerada uma das mais radicais do PETAR. Com acesso através de uma pequena entrada seca em meio a Trilha da Figueira, logo o turista se encanta com o ambiente transformado em uma deliciosa caverna com água que nos presenteia com um delicioso banho de cachoeira em seu interior.
A caverna Alambari de Baixo possui espeleotemas diferenciados e um belo pórtico, cenário que proporciona excelentes fotos e uma experiência inesquecível. Em meio a fendas e áreas de desmoronamento natural, o visitante pode observar as diferentes zonas na caverna com presença de luz e flora cavernícola.

Oficinas do Campo Primitivo

Você poderá experimentar, através desta atividade, como era a vida do homem primitivo: aprender a fazer o fogo; treinar pontaria em nosso alvo utilizando ferramentas de caça como propulsores, lanças e arcos; produzir utensílios com elementos da natureza como cordas utilizando fibra natural, arcos e lanças com o uso da madeira, rapadores e cortadores feitos de pedra lascada.

A cachoeira do Beija-flor fica ao lado da cachoeira das Andorinhas. Sua queda de 45m de altura forma uma piscina natural deliciosa para banho. Sem dúvida, a bela paisagem compensa as 3h de duração da trilha de acesso.
Com aproximadamente 500m de extensão, a Caverna do Couto permite atravessá-la de ponta à ponta, proporcionando ao término uma bela visão do verde vivo em torno do pórtico. Durante a travessia, você recebe a orientação de apagar as lanternas para experimentar a sensação de caminhar de mãos dadas na escuridão por alguns minutos.
Com acesso pela estrada Iporanga – Ribeirão, o Núcleo Casa de Pedra está localizado no Vale do Rio Iporanga, na região sul do PETAR e abriga a principal atração do parque. A caverna de mesmo nome possui pórtico de 215m e é considerada o maior pórtico de caverna do mundo, estando, inclusive, no “Guinness Book”. Além de outros atrativos naturais em meio à Mata Atlântica, a região também possui riquezas histórico-culturais como ruínas do antigo garimpo de ouro.
Ao iniciar a caminhada, o visitante cruza os Rios Iporanga e Maximiniano e, ao som dos pássaros, adentra a Mata Atlãntica densa repleta de exemplares de mata primária, como pau-brasil, figueira, perobas, além de espécies de samambaiaçu, embaúba, juçara e bromélias. Ao final da trilha, os olhos se deparam com uma espetacular abertura de caverna com 215m de altura, por onde a piscina natural do Rio Maximiniano forma uma cachoeira com águas que correm caverna adentro. Não é permitido entrar na Caverna Casa de Pedra. Além disso, é obrigatória a contratação de monitor ambiental.
Iporanga - Caverna Morro Preto

O que fazer na cidade

Mapa da Cidade